Gestão do Coração com Emílio Finger!

A palestra consiste na história de superação de Emílio Finger, uma criança com paralisia infantil que não mexia as duas pernas e o braço se tornou empresário e diretor comercial da Rancon Caxias, pós-graduado em Gestão Estratégica de Vendas.

Ele relata que conquistou todas suas vitórias com determinação, apoio da família e foco. O palestrante abordará ainda a gestão humanizada, para que as pessoas trabalhem felizes e desempenhem suas funções com dedicação; e a importância de transformar seus sonhos em objetivos com apoio da família. Também explana sobre as relações interpessoais na família, no trabalho e na sociedade, oferecendo reflexões para auxiliar o desenvolvimento e aprimoramento das habilidades sociais. 

O evento ocorre no dia 05 de dezembro no Hotel Intercity as 19 horas.

O valor de entrada é R$ 30,00 que serão revertidos para a ONG Casa Anjos Voluntários.

Pontos de venda:

Casa Anjos Voluntários (Rua Benjamin Custódio de Oliveira, 152. Bairro Charqueadas)

Hotel Intercity (Avenida Therezinha Sanvitto, 333. Bairro Villagio Iguatemi)

Possível comprar os ingressos online

 

 

A Casa Anjos Voluntários apresenta o espetáculo “Lembrança de um Carnaval” que terá exibição na terça dia 13 de novembro às 19:15, no Teatro Municipal Pedro Parenti da Casa da Cultura (Rua Dr. Montaury, 1.333), em Caxias.

A peça é promovida pela Casa Anjos Voluntários e tem referências no conto “Restos de Carnaval” de Clarice Lispector e no “Auto da Compadecida” de Ariano Suassuna. É resultado de oficinas de teatro, música e dança, onde o Maracatu e a capoeira fazem parte da construção cultural brasileira e também das oficinas que a Casa Anjos Voluntários oferece para crianças e adolescentes.

Os ingressos custam R$ 10,00. Estudantes e idosos pagam R$ 5,00. As vendas ocorrem na sede da Casa Anjos Voluntários (Av. Benjamin Custódio de Oliveira, 152).

Tratando temas sobre o desenvolvimento de crianças e adolescentes, com palestrantes especialistas em sua área de atuação, auxiliando os usuários da Casa Anjos Voluntários, suas famílias e os profissionais que atuam na instituição, o Seminário do Projeto Conhecer começou dia 21.05 e se estende até o dia 14.06. O evento tem patrocínio da Vara de Execuções Criminais de Caxias do Sul.

 

O Legislativo caxiense entregou, em sessão solene, na noite de quinta-feira (17/05), a Comenda Medalha Mérito Comunitário 2018. Foi agraciada a presidente da Casa Anjos Voluntários, Isamar Damin Ordovás Sartori. Parabéns, Isa!

Nosso Segundo Mari Burger  foi uma delícia em todos os sentidos.

Agradecemos a todos que compareceram, ao que trabalharam na organização e aos que apoiaram mais este evento da nossa Casa.Importante: a camisa autografada pelo técnico Tite foi sorteada para o número 150, que não estava no local.

Escritor e colunista do Almanaque também realiza bate-papo sobre literatura no sábado

O escritor e colunista do Almanaque Pedro Guerra está mesmo muito requisitado. Nesta sexta-feira, ele é atração no Brigadeiraço que vai tomar conta da escola CCAA Caxias (Borges de Medeiros, 457). O encontro ocorre em duas sessões, às 16h e 18h30min, e é aberto também a não alunos da escola. Por lá, vai rolar um bate-papo bem descontraído sobre livros, influências, e até um quiz sobre línguas valendo prêmios. O ingresso é um litro de leite, que será doado à ONG Anjos Voluntários.

Já no sábado, das 14h às 16h, Pedro arma a segunda edição do Clube da Escrita Criativa. A ideia é compartilhar dicas em áreas como inspiração, síntese, descrição e detalhismo com interessados na produção de textos. O curso vai rolar lá no Zarabatana Café e as inscrições podem ser feitas pelo escritorpedroguerra@gmail.com.

Fonte: Jornal Pioneiro

Link: pioneiro.clicrbs.com.br

Peça da Casa Anjos Voluntários é resultado de oficinas para crianças e adolescentes

O espetáculo Vida e Arte terá exibição nesta terça, às 20h, no Teatro Municipal Pedro Parenti da Casa da Cultura (Rua Dr. Montaury, 1.333), em Caxias. A peça é promovida pela Casa Anjos Voluntários, e é resultado de oficinas de teatro, música e dança, oferecidos pela organização para crianças e adolescentes.Os ingressos custam R$ 15. Estudantes e idosos pagam R$ 7,50. As vendas ocorrem na sede da Casa Anjos Voluntários (Av. Benjamin Custódio de Oliveira, 152).

Fonte: Jornal Pioneiro

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-tendencias/noticia/2017/05/agenda-espetaculo-vida-e-arte-tem-sessao-em-caxias-9789616.html

Quatro meninas da Anjos participaram do programa Criança Esperança, num quadro em que precisavam dizer frases racistas como “Eu não gosto da sua cor”, “Seu cabelo é horrível”, a uma mulher negra. Agora, elas relembram das gravações.

Sábado passado, Vitória Walltrick, Ketty Evelyn, Daffni Victória Lobo e Vitória dos Santos apareceram pela primeira vez na televisão. Foi no programa Criança Esperança, num quadro em que precisavam dizer frases racistas como “Eu não gosto da sua cor”, “Seu cabelo é horrível”, a uma mulher negra.

Passada uma semana, as quatro meninas que frequentam a ONG Anjos Voluntários, em Caxias do Sul, relembram das gravações e das repercussões do vídeo, que ganhou mais projeção no decorrer dos últimos dias, emocionando muita gente pelas redes sociais.

– Foi bonito, emocionante aparecer na tevê. Mas aquilo que a gente dizia não eram coisas legais – lembra Ketty.
Na produção, alguém explicava às pequenas que aquilo era uma dramatização, uma brincadeira. Mas criança leva brincadeira a sério.
– Deu um nervosismo na hora de gravar. Não conseguia falar aquilo, que era muito pesado, não faz parte do meu dia a dia – conta Daffni.
Esse incômodo diante de um discurso recheado de frases preconceituosas coletadas na internet sinalizou uma perspectiva diferente para deslizes de intolerâncias raciais tão recorrentes na contemporaneidade.
– O mundo não melhora por causa de pessoas que fazem aquilo com as outras. O vídeo talvez ajude quem age com racismo a olhar o mundo com outro olhar – diz Vitória dos Santos.
A experiência reorganiza a postura das meninas. Ou melhor, dá uma convicção precoce sobre conceitos de cidadania, tolerância, igualdade, convívio.
– A gente emocionou muito as pessoas e, quem sabe, essas pessoas vão pensar duas vezes antes de fazer aquilo. Às vezes também fazemos isso, mas é preciso ser diferente, mudar a vida, mudar o jeito de agir. Temos de ser nós mesmos e enfrentar o que temos de enfrentar. Mudar o mundo por aquilo que a gente quer – afirma Daffni.
Se, como diz o diretor do Criança Esperança Rafael Dragaud, estas quatro meninas deram um show de humanidade a televisão, as duas Vitórias, Daffni e Ketty agora têm novas responsabilidades no cotidiano da escola e da Anjos Voluntários.
– Percebi a reação das pessoas, que ficaram com pena da mulher para quem a gente falou as frases. Não dá para fazer igual. Se cada um fizer a sua parte, aos poucos tudo fica melhor – diz Vitória Walltrick.

Vitória Walltrick: “Na escola acontece isso.”

Vitória Walltrick tem 10 anos e estuda na 4º ano. Meio tímida, conta que se sentiu envergonhada ao gravar e aparecer na televisão. Seu jeito delicado e olhar manso se dissipa quando fala, convicta, sobre o que experimentou no programa televisivo.
– Aquilo que a gente falou para ela não é uma coisa boa. Eu não gostaria que falassem para mim e também não gostaria de falar para ela. É racismo – declara.
A menina diz que o convívio com situações como as simuladas no Criança Esperança é recorrente no cotidiano.
– Na escola acontece isso. Ficam se xingando, chamando de coisas que não são legais – diz, refletindo sobre o que fazer diante dessas situações:
– A gente tem de falar com quem sofre isso, dizer para elas não se preocuparem.
Questionada sobre a sensação de aparecer na televisão, ela responde com um sorriso silencioso, emendando com o comentário que mais ouviu sobre o vídeo em que participou.
– Falaram ¿coitada daquela mulher¿.No finzinho da conversa, a timidez volta a falar alto. E ela silencia ao ser questionada se já sofreu alguma discriminação.

Ketty Evelyn: “Não conseguia dizer aquilo. Era muito feio.

O sorriso matreiro e delicado de Ketty Evelyn, oito anos, 3º ano, é sincero ao dizer que foi emocionante aparecer na televisão. Sim, foi bonito, mas…
– O que a gente disse foram coisas ruins, a pessoa que ouviu ficou mal, ficou triste. Por isso a gente não conseguia dizer aquilo. Era muito feio – pondera a menina, falando mais com o olhar do que com palavras.
Ela acena com a cabeça, confirmando que também ficou triste. E diz que, sim, a cor da pele dela e de muitas outras pessoas iguais é o fator mais recorrente para gerar essas situações que a entristecem.
– Uma pessoa é de uma cor e tem outra que não é do mesmo jeito dela e não gosta daquela cor e aí fica falando – comenta Ketty, tentando explicar alguns matizes da discriminação.
Ketty tem dois irmãos, Vitor, de oito anos, e Luigi, ainda bebezinho. Os laços familiares são um aprendizado diário.
– A gente se ajuda a brincar.
O mundo da infância favorece à liberdade até do posicionamento da menina negra que começa a esboçar seu jeito de defender do racismo: – Se uma pessoa falar essas coisas, eu não vou gostar.
Para Ketty, a receita para uma humanidade menos intolerante e mais fraterna é bem simples:– A gente precisa se abraçar para ficar feliz.

Daffni: “Cada um fazendo a sua parte o mundo acaba melhor.”

O nervosismo diante das câmeras deu lugar a um sentimento de culpa em Daffni Victória Lobo assim que começou a ler as frases preconceituosas do roteiro. A menina de 12 anos e estudante da 7ª série não concorda com aquilo que foi simulado na atração da Globo.
– Fiquei mais nervosa ainda quando fui lendo as frases. A sensação era horrível, senti culpa e medo – relembra.
Por isso, ela não seguiu adiante nos xingamentos à mulher negra que estava em frente dela. Mas ela sabe que essa não é uma postura da maioria das pessoas.
– Durante a gravação fui lembrando de momentos que eu vi, de preconceitos contra gordos ou magros, gente que usa óculos. Hoje em dia as pessoas são muito racistas, a humanidade está muito preconceituosa – descreve a menina.
Tá, mas a Daffni já sofreu preconceito? O choro é a resposta. Depois de alguns soluços, a fala é quase sussurrada:
– Não quero falar sobre isso.
Mas a garota retoma o fôlego e reflete sobre o que fazer:
– A experiência foi muito boa, principalmente por mostrar que o preconceito é uma forma horrível de tratar as pessoas. A gente emocionou as pessoas e talvez elas pensem antes de agir de forma preconceituosa. Cada um fazendo a sua parte, o mundo acaba mudando.

Vitória dos Santos: “Ela estava passando pelo que passei.”

Vitória dos Santos chorou muito ao gravar o vídeo do Criança Esperança. A menina de 12 anos, estudante da 6º ano, relutava em emitir xingamentos racistas. Tinha razões bem íntimas.
– Naquela hora, ela estava passando pelo que eu passei. Por isso chorei muito – lembra.Ela conta que não agiu da melhor forma quando sofreu racismo. Teve uma atitude violenta. Mas…
– Violência gera violência. Para combater o preconceito, a gente não tem de dar bola. Temos de levantar a cabeça, fazer de conta que não é conosco e contar com a ajuda dos amigos – fala.
A menina enumera os tantos tipos de preconceitos que vê por aí:
– Por causa da classe social, da cor, se é magro, se é gordo, se usa óculos, se tem aparelho nos dentes. Com menos bullying e menos preconceito, o mundo fica melhor.Depois das lágrimas exibidas em rede nacional, Vitória sente que algo mudou em sua vida.
– Sou uma pessoa que está ensinando os outros sobre coisas que precisam mudar. E tem tanto para mudar…
Para fazer isso, Vitória conta com serenidade, transparência e um sorriso no rosto.
– Temos de ser nós mesmos e enfrentar o que tiver de enfrentar. Mudar as coisas por aquilo que a gente quer.

 

Fonte: Jornal Pioneiro
http://videos.clicrbs.com.br/rs/pioneiro/video/comportamento/2016/07/criancas-ong-anjos-voluntarios-caxias-dao-licao-contra-racismo-crianca-esperanca/162309/

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-tendencias/noticia/2016/07/meninas-caxienses-dao-licao-contra-o-racismo-no-crianca-esperanca-6469678.html

 

A ONG Casa dos Anjos Voluntários, fundada no final da década de 1990, completa 15 anos de existência.

Uma iniciativa de uma voluntária do bairro Planalto Rio Branco, em Caxias do Sul, conhecida como Tia Chica, dá origem á história da Casa Anjos Voluntários. Em um pequeno porão cedido pela paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição, com 25 crianças e adolescentes em situação vulnerabilidade social foram acolhidas para receber alimentação,cuidados e orientações sobre higiene, saúde e espiritualidade.

Hoje, a ONG fica situada no bairro Charqueadas, com 195 usuários atendendo crianças de 6 a 15 anos e onze meses onde são oferecidas diversas oficinas, como canto,xadrez,yoga,dança,inglês, entre outras.

A presidente Isamar Damin Ordovás Sartori vem trabalhando e sendo voluntária na ONG há 14 anos. Sendo mantida por doações de várias empresas de Caxias do Sul e região, para pessoas físicas e por meio de Apadrinhamentos.

Fonte: Con3poraneo

https://con3poraneo.wordpress.com/2015/12/07/a-casa-anjos-voluntarios-completa-14-anos-de-doacoes/

A ONG Anjos Voluntários de Caxias do Sul, que já possui o título de instituição de utilidade pública recebeu o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social.

A certificação vai trazer benefícios na parte administrativa da instituição como explica a presidente da Anjos Voluntários Isamar Ordovás Sartori.

“Com o CEBAS muda muita coisa, porque como somos uma ONG e não temos verbas fixas na entidade, estamos sempre buscando novos projetos e eventos para manter nossas atividades. Com esse título a gente vai ter na parte patronal um desconto considerável em impostos”, afirma Isamar.

A instituição realiza diversas atividades com jovens de 6 até 16 anos, no turno contrário ao da escola, são realizados na ONG oficinas e aulas de diversos temas como dança, cidadania, inglês, espanhol, xadrez, flauta, coral, administração, culinária, artesanato, inglês entre outras. Também são promovidas palestras que abordam assuntos como drogas, mercado de trabalho por exemplo.

Atualmente a Anjos Voluntários atende 145 jovens. Os interessados em conhecer melhor a instituição e participar do voluntariado podem buscar informações através do www.anjosvoluntarios.org e no telefone 3027-7720.

Fonte: Portal Leouve

http://leouve2.gruporscom.com.br/cidadania/portal-social/item/63412-casa-anjos-voluntarios-recebe-o-cebas

Apoiadores

Contato

Rua Benjamin Custódio de Oliveira, 152
CEP 95110-760 - Bairro Charqueadas
Caxias do Sul - RS
(54) 3027.7720 / (54) 9978-7046

Newsletter

Fique por dentro de nossas novidades

Acompanhe a Gente

Saiba como contribuir:

 

CNPJ 05.905.719/0001-95
Certidão de Registro n° 149/04 Peca CO 63- COMDICA
CMAS- Inscrição n° 012/2012
Registro no CNAS, conforme Resolução nº 211 de 04/12/2007 - R0671/2007

© 2017 Casa Anjos Voluntários.
Todos Os Direitos Reservados

Créditos/Fotos: Daniela Xu