Escritor e colunista do Almanaque também realiza bate-papo sobre literatura no sábado

O escritor e colunista do Almanaque Pedro Guerra está mesmo muito requisitado. Nesta sexta-feira, ele é atração no Brigadeiraço que vai tomar conta da escola CCAA Caxias (Borges de Medeiros, 457). O encontro ocorre em duas sessões, às 16h e 18h30min, e é aberto também a não alunos da escola. Por lá, vai rolar um bate-papo bem descontraído sobre livros, influências, e até um quiz sobre línguas valendo prêmios. O ingresso é um litro de leite, que será doado à ONG Anjos Voluntários.

Já no sábado, das 14h às 16h, Pedro arma a segunda edição do Clube da Escrita Criativa. A ideia é compartilhar dicas em áreas como inspiração, síntese, descrição e detalhismo com interessados na produção de textos. O curso vai rolar lá no Zarabatana Café e as inscrições podem ser feitas pelo escritorpedroguerra@gmail.com.

Fonte: Jornal Pioneiro

Link: pioneiro.clicrbs.com.br

Peça da Casa Anjos Voluntários é resultado de oficinas para crianças e adolescentes

O espetáculo Vida e Arte terá exibição nesta terça, às 20h, no Teatro Municipal Pedro Parenti da Casa da Cultura (Rua Dr. Montaury, 1.333), em Caxias. A peça é promovida pela Casa Anjos Voluntários, e é resultado de oficinas de teatro, música e dança, oferecidos pela organização para crianças e adolescentes.Os ingressos custam R$ 15. Estudantes e idosos pagam R$ 7,50. As vendas ocorrem na sede da Casa Anjos Voluntários (Av. Benjamin Custódio de Oliveira, 152).

Fonte: Jornal Pioneiro

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-tendencias/noticia/2017/05/agenda-espetaculo-vida-e-arte-tem-sessao-em-caxias-9789616.html

Na manhã desta quinta-feira (13), a coordenadora da Comissão Especial do Jovem Advogado – CEJA, Natália Reginini e Silva, coordenou a entrega de doces e chocolates arrecadados durante a Campanha da Páscoa 2017. As doações foram entregues às crianças e adolescentes atendidos na Casa Anjos Voluntários.

O trabalho desenvolvido pela instituição é voltado para a garantia de direitos, por meio da prevenção, promoção, proteção e socialização de crianças e adolescentes, e também de seus familiares.

Além da presidente, acompanharam a visita os integrantes da CEJA, Bruna da Silva, Fernanda Dutra Alves Bertolucci, Camila de Lima Gomes e Gabriel Henrique da Silva e os jovens advogados Rafael Scussiatto e Franciele Souza Steiner.

195 kits de guloseimas fizeram a alegria dos participantes da instituição.

A campanha foi uma iniciativa da OAB Jovem local.

Fonte: OAB

http://www.oabcaxias.org.br/web/noticias/ver/4932

Quatro meninas da Anjos participaram do programa Criança Esperança, num quadro em que precisavam dizer frases racistas como “Eu não gosto da sua cor”, “Seu cabelo é horrível”, a uma mulher negra. Agora, elas relembram das gravações.

Sábado passado, Vitória Walltrick, Ketty Evelyn, Daffni Victória Lobo e Vitória dos Santos apareceram pela primeira vez na televisão. Foi no programa Criança Esperança, num quadro em que precisavam dizer frases racistas como “Eu não gosto da sua cor”, “Seu cabelo é horrível”, a uma mulher negra.

Passada uma semana, as quatro meninas que frequentam a ONG Anjos Voluntários, em Caxias do Sul, relembram das gravações e das repercussões do vídeo, que ganhou mais projeção no decorrer dos últimos dias, emocionando muita gente pelas redes sociais.

– Foi bonito, emocionante aparecer na tevê. Mas aquilo que a gente dizia não eram coisas legais – lembra Ketty.
Na produção, alguém explicava às pequenas que aquilo era uma dramatização, uma brincadeira. Mas criança leva brincadeira a sério.
– Deu um nervosismo na hora de gravar. Não conseguia falar aquilo, que era muito pesado, não faz parte do meu dia a dia – conta Daffni.
Esse incômodo diante de um discurso recheado de frases preconceituosas coletadas na internet sinalizou uma perspectiva diferente para deslizes de intolerâncias raciais tão recorrentes na contemporaneidade.
– O mundo não melhora por causa de pessoas que fazem aquilo com as outras. O vídeo talvez ajude quem age com racismo a olhar o mundo com outro olhar – diz Vitória dos Santos.
A experiência reorganiza a postura das meninas. Ou melhor, dá uma convicção precoce sobre conceitos de cidadania, tolerância, igualdade, convívio.
– A gente emocionou muito as pessoas e, quem sabe, essas pessoas vão pensar duas vezes antes de fazer aquilo. Às vezes também fazemos isso, mas é preciso ser diferente, mudar a vida, mudar o jeito de agir. Temos de ser nós mesmos e enfrentar o que temos de enfrentar. Mudar o mundo por aquilo que a gente quer – afirma Daffni.
Se, como diz o diretor do Criança Esperança Rafael Dragaud, estas quatro meninas deram um show de humanidade a televisão, as duas Vitórias, Daffni e Ketty agora têm novas responsabilidades no cotidiano da escola e da Anjos Voluntários.
– Percebi a reação das pessoas, que ficaram com pena da mulher para quem a gente falou as frases. Não dá para fazer igual. Se cada um fizer a sua parte, aos poucos tudo fica melhor – diz Vitória Walltrick.

Vitória Walltrick: “Na escola acontece isso.”

Vitória Walltrick tem 10 anos e estuda na 4º ano. Meio tímida, conta que se sentiu envergonhada ao gravar e aparecer na televisão. Seu jeito delicado e olhar manso se dissipa quando fala, convicta, sobre o que experimentou no programa televisivo.
– Aquilo que a gente falou para ela não é uma coisa boa. Eu não gostaria que falassem para mim e também não gostaria de falar para ela. É racismo – declara.
A menina diz que o convívio com situações como as simuladas no Criança Esperança é recorrente no cotidiano.
– Na escola acontece isso. Ficam se xingando, chamando de coisas que não são legais – diz, refletindo sobre o que fazer diante dessas situações:
– A gente tem de falar com quem sofre isso, dizer para elas não se preocuparem.
Questionada sobre a sensação de aparecer na televisão, ela responde com um sorriso silencioso, emendando com o comentário que mais ouviu sobre o vídeo em que participou.
– Falaram ¿coitada daquela mulher¿.No finzinho da conversa, a timidez volta a falar alto. E ela silencia ao ser questionada se já sofreu alguma discriminação.

Ketty Evelyn: “Não conseguia dizer aquilo. Era muito feio.

O sorriso matreiro e delicado de Ketty Evelyn, oito anos, 3º ano, é sincero ao dizer que foi emocionante aparecer na televisão. Sim, foi bonito, mas…
– O que a gente disse foram coisas ruins, a pessoa que ouviu ficou mal, ficou triste. Por isso a gente não conseguia dizer aquilo. Era muito feio – pondera a menina, falando mais com o olhar do que com palavras.
Ela acena com a cabeça, confirmando que também ficou triste. E diz que, sim, a cor da pele dela e de muitas outras pessoas iguais é o fator mais recorrente para gerar essas situações que a entristecem.
– Uma pessoa é de uma cor e tem outra que não é do mesmo jeito dela e não gosta daquela cor e aí fica falando – comenta Ketty, tentando explicar alguns matizes da discriminação.
Ketty tem dois irmãos, Vitor, de oito anos, e Luigi, ainda bebezinho. Os laços familiares são um aprendizado diário.
– A gente se ajuda a brincar.
O mundo da infância favorece à liberdade até do posicionamento da menina negra que começa a esboçar seu jeito de defender do racismo: – Se uma pessoa falar essas coisas, eu não vou gostar.
Para Ketty, a receita para uma humanidade menos intolerante e mais fraterna é bem simples:– A gente precisa se abraçar para ficar feliz.

Daffni: “Cada um fazendo a sua parte o mundo acaba melhor.”

O nervosismo diante das câmeras deu lugar a um sentimento de culpa em Daffni Victória Lobo assim que começou a ler as frases preconceituosas do roteiro. A menina de 12 anos e estudante da 7ª série não concorda com aquilo que foi simulado na atração da Globo.
– Fiquei mais nervosa ainda quando fui lendo as frases. A sensação era horrível, senti culpa e medo – relembra.
Por isso, ela não seguiu adiante nos xingamentos à mulher negra que estava em frente dela. Mas ela sabe que essa não é uma postura da maioria das pessoas.
– Durante a gravação fui lembrando de momentos que eu vi, de preconceitos contra gordos ou magros, gente que usa óculos. Hoje em dia as pessoas são muito racistas, a humanidade está muito preconceituosa – descreve a menina.
Tá, mas a Daffni já sofreu preconceito? O choro é a resposta. Depois de alguns soluços, a fala é quase sussurrada:
– Não quero falar sobre isso.
Mas a garota retoma o fôlego e reflete sobre o que fazer:
– A experiência foi muito boa, principalmente por mostrar que o preconceito é uma forma horrível de tratar as pessoas. A gente emocionou as pessoas e talvez elas pensem antes de agir de forma preconceituosa. Cada um fazendo a sua parte, o mundo acaba mudando.

Vitória dos Santos: “Ela estava passando pelo que passei.”

Vitória dos Santos chorou muito ao gravar o vídeo do Criança Esperança. A menina de 12 anos, estudante da 6º ano, relutava em emitir xingamentos racistas. Tinha razões bem íntimas.
– Naquela hora, ela estava passando pelo que eu passei. Por isso chorei muito – lembra.Ela conta que não agiu da melhor forma quando sofreu racismo. Teve uma atitude violenta. Mas…
– Violência gera violência. Para combater o preconceito, a gente não tem de dar bola. Temos de levantar a cabeça, fazer de conta que não é conosco e contar com a ajuda dos amigos – fala.
A menina enumera os tantos tipos de preconceitos que vê por aí:
– Por causa da classe social, da cor, se é magro, se é gordo, se usa óculos, se tem aparelho nos dentes. Com menos bullying e menos preconceito, o mundo fica melhor.Depois das lágrimas exibidas em rede nacional, Vitória sente que algo mudou em sua vida.
– Sou uma pessoa que está ensinando os outros sobre coisas que precisam mudar. E tem tanto para mudar…
Para fazer isso, Vitória conta com serenidade, transparência e um sorriso no rosto.
– Temos de ser nós mesmos e enfrentar o que tiver de enfrentar. Mudar as coisas por aquilo que a gente quer.

 

Fonte: Jornal Pioneiro
http://videos.clicrbs.com.br/rs/pioneiro/video/comportamento/2016/07/criancas-ong-anjos-voluntarios-caxias-dao-licao-contra-racismo-crianca-esperanca/162309/

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/cultura-e-tendencias/noticia/2016/07/meninas-caxienses-dao-licao-contra-o-racismo-no-crianca-esperanca-6469678.html

 

$ 100 mil serão doados à ONG Casa Anjos Voluntários para realização de oficinas diversas

O Projeto Criança Dália não tem fronteiras. Além de entidades de todo o Vale do Taquari e Rio Pardo, a iniciativa da cooperativa Dália Alimentos agora também contribui com a Serra Gaúcha. A ONG Casa Anjos Voluntários, de Caxias do Sul, é uma das entidades beneficiadas pelo projeto e receberá, durante o transcorrer deste ano, o valor de R$ 100 mil para ações com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

O recurso será aplicado no Projeto Semeando Arte/Criança Dália que tem como slogan a frase de Mário Quintana: “O sorriso enrique os recebedores sem empobrecer os doadores.” Será uma ação realizada no turno inverso ao escolar e que beneficiará 195 crianças e adolescentes através de oficinas de dança, violão, flauta, teclado, teatro, vocal e musicalização. O objetivo é estimular a construção de valores sociais, conhecimentos, habilidades e competências que contribuam para a edificação de uma sociedade inclusiva.

De acordo com a presidente da Casa Anjos Voluntários, Isamar Ordovás Sartori, o objetivo é desenvolver as capacidades psicomotoras e a autoestima das crianças e adolescentes; desenvolver o indivíduo através da democratização do acesso à cultura; possibilitar a inserção no meio sociocultural, buscando e incentivando a descoberta de talentos. “O projeto proporcionará aumento da autoestima dos participantes, assim, crianças e adolescentes deixarão de ser meros expectadores e consumidores da cultura produzida pelas outras camadas sociais, tornando-se protagonistas do processo cultural, produzindo arte e cultura, mostrando e refletindo sua realidade de forma consciente e participativa.”

Quanto à parceria com a Dália Alimentos, acrescenta que “o Projeto Criança Dália é de suma importância para que a continuidade do programa cultural da entidade, oferecendo um número maior de oficinas e, paralelo a isso, qualificando a vida de cada participante.”

O gestor administrativo da Filial Dália Alimentos Caxias do Sul, Rafael Rocha, justifica que ao optar contribuir com a Casa Anjos Voluntários teve-se a certeza de estar auxiliando uma iniciativa que qualifica vidas e que tem como alicerce familiar a educação. “No ano de 2012 conhecemos a Casa fazendo parte de um projeto menor, a padaria/escola. Desenvolvemos uniformes e patrocinamos eventos para essas crianças e jovens, entre 14 e 16 anos, iniciarem o caminho profissionalizante. Sabendo da presença significativa de crianças até 12 anos, desde então ficamos atentos para um dia estampar com força o Criança Dália num projeto ainda maior.”

Serão R$ 100 mil revertidos ao projeto também em virtude da presença e da força que a marca e os produtos Dália tem na grande região de Caxias do Sul. “Somos reconhecidos pela qualidade dos produtos e ética nos negócios. Agora, buscamos fortalecer esse reconhecimento também por meio da responsabilidade social, através do Projeto Criança Dália”, pontua Rafael.

Saiba mais

A Casa Anjos Voluntários é uma organização sem fins lucrativos que tem como compromisso aprimorar as atividades educacionais, culturais e assistenciais oferecidas, visando o despertar da sociabilidade e solidariedade, incentivando o desenvolvimento intelectual. A entidade surgiu a partir da iniciativa de uma voluntária da comunidade, que, sensibilizada com a condição de algumas crianças e adolescentes, que viviam em situação de vulnerabilidade social, as tirava da rua e oferecia alimentação e cuidado, sendo este trabalho realizado no porão de uma pequena empresa.

Inicialmente eram atendidas 25 crianças que recebiam orientações sobre higiene, saúde, espiritualidade e alimentação. Em 2003, a ONG foi legalmente instituída, transformando-se num espaço de inclusão social, através de atividades socioeducativas a crianças e adolescentes no contra turno da escola.

Fonte: Imprensa Dália

http://www.dalia.com.br/noticia/projeto-crianca-dalia-beneficia-ong-de-caxias-do-sul

 

A ONG Casa dos Anjos Voluntários, fundada no final da década de 1990, completa 14 anos de existência.

Uma iniciativa de uma voluntária do bairro Planalto Rio Branco, em Caxias do Sul, conhecida como Tia Chica, dá origem á história da Casa Anjos Voluntários. Em um pequeno porão cedido pela paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição, com 25 crianças e adolescentes em situação vulnerabilidade social foram acolhidas para receber alimentação,cuidados e orientações sobre higiene, saúde e espiritualidade.

Hoje, a ONG fica situada no bairro Charqueadas, com 145 alunos, atendendo crianças de 6 a 13 anos e adolescentes de 14 a 17 anos, onde são oferecidas diversas oficinas, como canto,xadrez,yoga,dança,inglês, entre outras.

A presidente Isamar Damin Ordovás Sartori vem trabalhando e sendo voluntária na ONG há 13 anos. Sendo mantida por doações de várias empresas de Caxias do Sul e região, para pessoas físicas, a Anjos Voluntários oferece um afilhado para cada doador, conhecendo bem a criança, recebendo notícias e acompanhando seu dia na ONG. Para cada aluno que entra, é necessário fazer um cadastro e logo após adquirir uma agenda e uma camiseta. As crianças ficam na parte da manhã e os adolescentes na parte da tarde. Cada grupo recebe almoço e lanche. Quando um aluno não comparece na ONG, é preciso justificar sua falta entrando em contato com seus pais.

Com uma lista de espera de 175 alunos, a Anjos Voluntários está procurando mais doadores para ampliar ou até mesmo fazer outra ONG.

Fonte: Con3poraneo

https://con3poraneo.wordpress.com/2015/12/07/a-casa-anjos-voluntarios-completa-14-anos-de-doacoes/

A ONG Anjos Voluntários de Caxias do Sul, que já possui o título de instituição de utilidade pública recebeu o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social.

A certificação vai trazer benefícios na parte administrativa da instituição como explica a presidente da Anjos Voluntários Isamar Ordovás Sartori.

“Com o CEBAS muda muita coisa, porque como somos uma ONG e não temos verbas fixas na entidade, estamos sempre buscando novos projetos e eventos para manter nossas atividades. Com esse título a gente vai ter na parte patronal um desconto considerável em impostos”, afirma Isamar.

A instituição realiza diversas atividades com jovens de 6 até 16 anos, no turno contrário ao da escola, são realizados na ONG oficinas e aulas de diversos temas como dança, cidadania, inglês, espanhol, xadrez, flauta, coral, administração, culinária, artesanato, inglês entre outras. Também são promovidas palestras que abordam assuntos como drogas, mercado de trabalho por exemplo.

Atualmente a Anjos Voluntários atende 145 jovens. Os interessados em conhecer melhor a instituição e participar do voluntariado podem buscar informações através do www.anjosvoluntarios.org e no telefone 3027-7720.

Fonte: Portal Leouve

http://leouve2.gruporscom.com.br/cidadania/portal-social/item/63412-casa-anjos-voluntarios-recebe-o-cebas

A Casa Anjos Voluntários com o projeto Movimento em Ação II proporcionou neste ano de 2014 várias atividades Sócio educativa, visando desenvolvimento geral dos alunos. Realizando exercícios tanto do âmbito Social , quanto Coognitivo e Motor. Através de brincadeiras jogos e gincanas. O projeto atende 145 crianças da região do Bairro Planalto Rio Branco e seu entorno, oportunizando essas crianças atividades no contra turno escolar . Proporcionando um aproveitamento escolar e evitando a repetência evasão escolar e uma melhora bastante significativa na convivência em grupo. O projeto contempla crianças de 06 a 15 anos e 11 meses de idade. Um dos critérios para o acolhimento é obrigatoriedade em estar freqüentando a escola regular. Além das atividades realizadas elas recebem alimentação café da manhã , almoço e lanche as oficinas acontecem de segunda a sexta . O Projeto Movimento e Ação II só é possível realizar graças ao Patrocinio da Prefeitura de Caxias do Sul através do Fiesporte/Smel. Como a instituição não Visa fins lucrativo (ONG) só foi possível o atendimento as crianças adolescentes através deste incentivo. Éssa Verba vem ao encontro e anseios da necessidade de Captação de recurso da instituição os recursos proporciona aos menos assistido uma possibilidade de crescimento e desenvolvimento como pessoa conhecedores de seus direitos e deveres quanto cidadãos. Casas Anjos Voluntários conta com os Seguintes profissionais. Presidente Isamar Ordovas   Sartori. Coordenador geral Renato Vicenzi, Coordenadora Pedagógica Claudia Wilsen. Oficineiros Francieli Malfati, informática, Leticia Trentin Professora de Inglês, Vanessa Trentin Jogos Lúdicos, Leonardo Fochesato Educador Fisico, Aldren Canto Coral, Geovane Monteiro Dança, Tiago Lidens oficina de Padaria e Confeitaria , Simone Cemin Flauta Doce.

Fonte: Jornal Show de Bola

www.jornalshowdebola.com.br

A emoção começa na voz de Maria Antônia Mendes Rios. Aos 13 anos, ela é uma das seis solistas do coral da Casa Anjos Voluntários, em Caxias. Há oito meses no grupo, ganhou a responsabilidade de abrir sozinha, só com a voz, sem qualquer sonoridade junto, a música que significa para eles muito mais do que a vitória no Projeto Recria Fazendo Arte-Educação. A canção, que o Pioneiro escolheu para transmitir uma mensagem de fim de ano, é uma demonstração de corações abertos pedindo o fim do preconceito, uma realidade que eles conhecem muito bem.

“Veja meus olhos / eles não têm a mesma cor que os seus / Teus pensamentos / Às vezes não combinam com os meus / Se temos diferenças / A natureza quis assim / Mas o mesmo sol / Que te aquece / Também aquece a mim”, canta Maria Antônia. Em seguida, entra a melodia composta pelo professor de música da Anjos, Aldren Ferreira, e as demais vozes do coral para dar sequência a uma música que realmente emociona. São 145 crianças e adolescentes, com idades que variam entre seis e 16 anos, beneficiadas por atividades no turno inverso da escola. O coral é uma delas, reúne 40 integrantes e existe há cinco anos.

– Aqui na Anjos, atendemos 12 bairros e estamos conseguindo encaminhar quem chega aos 16 anos e precisa sair da Casa. Muitos são colocados em cursos técnicos e de lá vão direto para o mercado de trabalho – conta a presidente da Casa Anjos Voluntários, Isamar Damin Ordovás Sartori.

Mas para comemorar esses resultados, é preciso trabalho e colaboração da comunidade. Aldren, por exemplo, é contratado pela Casa para dar aulas de música. Ele tem 39 anos de vida e 30 de experiência musical. Há 10 meses, transfere um pouco de todo esse conhecimento para os integrantes do coral.

– Eu não sou um ditador, trabalho junto com eles. Sobre essa música, primeiro escolhemos o tema, o bullying, que faz parte da vida deles. Aí pedi que cada um pensasse em uma frase. Eu fiz as rimas e a composição, a letra foi escrita junto com eles. O resultado é uma música em que eles abrem o coração – relata Aldren.

Tanto ele quando Isamar confirmam: essa canção diz muito sobre o que essas crianças e adolescentes vivem no seu dia a dia. E é por um 2014 com menos preconceito e mais igualdade que o Pioneiro pede nesta reportagem e nos vídeos que gravou na Anjos. Acesse o pioneiro.com, cante e emocione-se conosco. Quem em 2014, os últimos versos da letra composta pelos integrantes do coral sejam uma realidade: “Tudo isso passou / Não preciso mais ficar calado / O preconceito e o medo / Desde hoje fazem parte do passado.

“Eu fiz as rimas e a composição,
a letra foi escrita junto com eles.
O resultado é uma música em que
eles abrem o coração”

Aldren Ferreira, professor de música do coral.

 

Fonte: Jornal Pioneiro

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/geral/cidades/pagina/coral-anjos-voluntarios.html

 

A Casa Anjos Voluntários atende crianças e adolescentes no contra-turno da escola. Elas tem a oportunidade de entrar em contato direto com o rádio por meio de produções radiofônicas de alunos do curso de Jornalismo da UCS. Confira como é a rotina na Casa e a importância do contato com a comunicação!

FRISPIT NOTÍCIAS — PROGRAMA 293
Reportagem: Taís Pellenz
Imagens: Ronaldo Daros
Edição: Ronaldo Daros e Taís Pellenz

Universidade de Caxias do Sul
Agência Experimental de Comunicação – AEC
http://www.frispit.com.br/tv

Apoiadores

Contato

Rua Benjamin Custódio de Oliveira, 152
CEP 95110-760 - Bairro Charqueadas
Caxias do Sul - RS
(54) 3027.7720 / (54) 9978-7046

Newsletter

Fique por dentro de nossas novidades

Acompanhe a Gente

Saiba como contribuir:

 

CNPJ 05.905.719/0001-95
Certidão de Registro n° 149/04 Peca CO 63- COMDICA
CMAS- Inscrição n° 012/2012
Registro no CNAS, conforme Resolução nº 211 de 04/12/2007 - R0671/2007

© 2017 Casa Anjos Voluntários.
Todos Os Direitos Reservados

Créditos/Fotos: Daniela Xu